Publicitária ganha R$ 1.000 como babá de gatos nas horas vagas!

"Faturo uma grana extra cuidando dos bichanos que tanto amo. É tão prazeroso que nem parece trabalho!"

Sou Mais Eu Digital

O amor pela Marie e pelo Cadu despertou minha vocação! | <i>Crédito: Arquivo Pessoal
O amor pela Marie e pelo Cadu despertou minha vocação! | Crédito: Arquivo Pessoal

Minha afinidade com gatos é tão grande que nem consigo explicar de onde ela vem. Desde pequena, amo esses bichanos com todo meu coração! E eles sempre gostaram de mim também. Quando vivia na casa dos meus pais, tive alguns gatos adotados. Era uma festa! Além disso, costumava ajudar os bichinhos que estavam abandonados ou eram encontrados feridos na rua. 

Aí, quando passei a morar sozinha, no ano passado, não perdi tempo e adotei logo três gatinhos: o Cadu, o Dudu e a Marie. Ele são meus xodós: amo os três como se fossem meus filhinhos! Só que, no meio do ano, precisei passar dois dias viajando a trabalho e não queria deixar meus bebês num hotel para animais. É que, há cerca de cinco anos, deixei um gatinho num lugar assim e ele voltou magro e cheio de pulgas. 

Por isso, decidi procurar na internet alguém que fosse cuidador de gatos e topasse ir até minha casa para tomar conta dos meus pequenos. Assim, eles não precisariam sair do conforto do meu lar, onde já estavam ambientados. Só que não encontrei ninguém que oferecesse o serviço na minha cidade. Opa, enxerguei ali uma oportunidade! 

Como não encontrei nenhuma babá de gato, ou cat sitter, como também chamam, mamãe acabou ficando com meus filhinhos. Ela topou porque eram apenas dois dias e porque também gosta de gatos. Mas, assim que voltei, me aprofundei nas pesquisas sobre cuidadores de gatos. Entrei em contato com uma moça muito simpática que oferecia esse serviço na Bahia e ela me deu várias dicas!

Conversei com uma “cat sitter” que me incentivou
A cuidadora de Salvador me contou que era completamente apaixonada por gatos desde pequena, assim como eu. Mas enfatizou que não bastava isso para trabalhar com os bichanos. Eu tinha que ter em mente que era um serviço de muita responsabilidade, pois, além de o cliente dar a chave da casa dele para o cuidador, os gatos são superimportantes para seus donos. Claro que eu sabia de tudo isso e fiquei ainda mais interessada pelo trabalho. Decidi, então, que seria a primeira cat sitter da minha cidade, Campo Grande! O primeiro passo foi criar uma fan page no Facebook e uma conta no Instagram para divulgar minha nova função. Além disso, investi no boca a boca e espalhei para todo mundo que agora eu estava cuidando dos bichanos profissionalmente. Estabeleci que cobraria R$ 25 a hora, mesmo se houvesse mais de um gato na residência. Meu serviço incluiria a ida à casa do cliente, fornecer alimentação, água, carinho, passeios, banho... Tudo que o bichinho precisasse!

Me sinto energizada quando cuido dos gatos
O primeiro cliente que consegui foi o Nick, gatinho de uma mulher que nem me conhecia, mas que resolveu confiar em mim após ver minha página no Facebook. Ela passou cinco dias viajando e eu ia diariamente à sua casa para dar atenção ao Nick e conferir se ele estava bem. Graças a Deus e ao meu jeitinho para lidar com os bichanos, deu tudo certo. Minha estreia como cat sitter foi um sucesso! A partir daí, minha clientela só foi aumentando. Desde o primeiro mês, consigo tirar entre R$ 500 e R$ 1.000 como babá de gatos. Bom, né? Como trabalho das 9 h às 18 h numa produtora de eventos, cuido dos animais antes ou depois do expediente. De vez em quando, aproveito também minhas duas horas de almoço para isso. 

O melhor de tudo é que é tão prazeroso pra mim que não parece um trabalho. A convivência com esses bichanos é tão gostosa e gratificante que me sinto energizada quando saio da casa de um cliente, acredita? Nunca tive problema com nenhum dos dez gatinhos de que já cuidei. Acho que o maior segredo para uma boa convivência com eles é respeitar seu espaço, seu tempo e seu humor. De vez em quando, o bicho não está a fim de aproximação e de carinho e aí você precisa deixá-lo em paz. Aos poucos, ele vai adquirindo confiança e simpatia por você e já começa a te procurar para brincar e receber chamego. 

Sonho em abrir um hotel e pet shop para gatinhos
Gosto tanto do que faço que sonho em abrir uma pet shop e um hotel apenas para gatos. Aí, poderia oferecer também e tosa para os bichanos, além de vender um mundaréu de produtos que existem voltados para os gatinhos. Também quero construir um espaço para que eles possam se hospedar sem a necessidade de ficarem presos em gaiolas nem se estressarem pelo contato com cachorros. Como não existe nada parecido na minha cidade, sei que tenho muitas chances de me dar bem. Estou juntando a grana que ganho como cat sitter para um dia poder realizar esse sonho. Espero que seja muito em breve! - ANA CAROLINA VALDEZ, 33 anos, publicitária e cuidadora de gatos, Campo Grande, MS

Minhas dicas para ser uma ótima cuidadora de felinos
1
Entenda que gatos, ao contrário dos cães, não querem receber carinho o tempo todo. Respeite seu espaço e espere que o bichano faça sua aproximação e demonstre que está interessado no seu chamego.
2 Para conquistar o cliente, reforce que você entende a importância que o bicho de estimação tem em sua vida e que o tratará como se fosse um membro da sua família.
3 Não brinque em serviço! Nada de levar um amigo na casa do cliente ou deixar para cuidar do bicho depois de uma festa. O bichano merece respeito e seu trabalho tem que vir em primeiro lugar!
4 Aproveite o alcance das redes sociais para sempre postar fotos e informações sobre o seu trabalho. Assim, além de ganhar novos clientes, você também conquista credibilidade.
5 Faça promoções variadas para agitar suas páginas nas redes sociais, como sorteios ou descontos para os clientes fidelizados.  
6 Quando o bichano começar a dar abertura para brincadeiras, leve bolas de papel, ratinhos de brinquedo ou arranhadores para entretê-lo.
7 Pergunte sempre ao dono qual o veterinário de confiança da família e recorra a ele em caso de emergências, como doenças.

02/02/2015 - 16:34

Conecte-se

Revista Sou mais Eu