Microempreendedora: "Faço roupas e acessórios para animais deficientes"

Andreia Tomi Minei cria as peças, que são confortáveis, estilosas e sobretudo muito eficientes

Sou Mais Eu Digital

Roupas e acessórios para animais | <i>Crédito: Arquivo Pessoal
Roupas e acessórios para animais | Crédito: Arquivo Pessoal
Foi tudo tão rápido! Um mau contato fez o portão automático da garagem se abrir sozinho e minha poodle Zefa escapou pra rua. Corri atrás, mas ela disparou até o meio da rua, onde um carro acertou a coitada em cheio e fugiu sem socorrer! Quando a peguei, ela chorava muito. Eu também. Não podia acreditar naquela tragédia.... Muito menos que ela transformaria nossa vida para melhor! 

O acidente revelou novo mercado 

Amo bichos. Só não sou veterinária porque não aguento vê-los sofrer. Aí, fiz Direito. Mas vocação é vocação e, em 2013, larguei a carreira de advogada para viver do meu hobby: criar e costurar roupas para PETs. Assim, abri lá em casa a loja Cão de Luxo, com modelitos e acessórios  feitos sob encomenda, para cães e gatos. 

O negócio já tinha nove meses quando Zefa foi atropelada. Foi feio, viu? Ela sofreu hemorragia interna e quebrou a bacia. Precisou fazer duas operações, passou dois meses fazendo fisioterapia e acupuntura. 

Numa consulta, a veterinária perguntou se eu faria um suporte com rodas para uma cadela que não mexia  as patas de trás. Decidi tentar. Minha mãe me ajudou na parte   de tecido e meu vizinho, que é pedreiro, montou um carrinho com tubos de PVC. Ficou  ótimo e a veterinária passou a nos indicar.

Pesquisando na internet, me especializei em desenvolver e adaptar peças para animais  deficientes ou em recuperação. Hoje, a Cão de Luxo foca nisso. O dono traz o pet com o encaminhamento do veterinário (sem isso não faço a peça). Tiro as medidas do bicho e confecciono o que ele precisa. Priorizo o conforto, mas capricho na estética também. O preço varia. Um colar ortopédico, por exemplo, custa R$ 38 para um cachorro pequeno, R$ 45 para um médio e de R$ 60 a R$ 90 para um grande. Presto serviço para clínicas veterinárias com mamãe e meu vizinho – se aperta, minha irmã nos ajuda. 

Aumentei meus lucros em 80%. E ainda ajudo os bichos! O Neymar, por exemplo: por não mexer as patas traseiras, usa fraldas e se arrasta. Bolei uma cueca que evita que a fralda rasgue e que Neymar se esfregue no chão o tempo todo. Também adorei ajudar a shitsu Lola, que reaprendeu a caminhar com meu andador. Por enquanto só atendi cães e gatos. Mas se um pássaro ou peixe precisar de um acessório, crio com o maior amor! - ANDREIA TOMI MINEI, 42 anos, microempreendedora, Campo Grande, MS

11/05/2015 - 11:20

Conecte-se

Revista Sou mais Eu