Esteticista de animal se especializa em unhas de cães e gatos!

"Me especializei em manicure para pets: em apenas 20 minutos, deixo cadelinhas e bichanas muito mais femininas e charmosas. As clientes adoram, e eu também!"

Sou Mais Eu Digital

Sou patacure: faço unhas de cães e gatos! | <i>Crédito: Arquivo Pessoal
Sou patacure: faço unhas de cães e gatos! | Crédito: Arquivo Pessoal

Manicure para pets? Existe, sim! Trabalho há vinte anos com estética animal, fazendo pigmentação dos pelos, hidratação de chocolate e cauterização, entre outros tratamentos para deixar os bichinhos mais bonitos. Entre os serviços que ofereço na pet shop onde trabalho, a “patacure” é o que faz mais sucesso. Eu e a equipe daqui descobrimos a tendência numa viagem ao exterior e resolvemos reproduzir aqui no Brasil. Pesquisei bastante sobre o procedimento, pedi dicas para alguns companheiros de profissão e, assim, aprendi a pintar as unhas das cadelas e gatinhas dos clientes. Apesar de exigir muita delicadeza e jeitinho, a manicure para pets é simples, rápida e indolor.

Dá até pra fazer francesinha!
“Você pode pintar as unhas do meu bichinho da mesma cor das minhas?”, é o que geralmente pedem as clientes. Já fiz até francesinha nas patas de uma cachorrinha, acredita?! Mas só consigo fazer meu trabalho nas raças que não têm muito pelo, como buldogue, beagle, dálmata e teckel (o famoso salsicha). A exceção são os poodles: eles são peludos, mas o estilo de tosa permite um corte diferente na patinha, deixando as unhas livres para receber o esmalte. Fica show de bola, menina!

E os felinos também podem pintar as unhas, viu? O problema é que eles são bem mais sensíveis e ariscos a esse tipo de tratamento estético. A cor dos esmaltes, por exemplo, pode deixá-los incomodados e, por isso, só realizo a patacure quando os donos realmente fazem questão e assumem os riscos de possíveis alergias e intolerâncias aos materiais usados. O profissionalismo vem acima de tudo!

Só utilizo esmaltes e materiais próprios para a estética dos pets
O procedimento é bem simples. Começo lixando o comprimento e a grossura das unhas do animal. A ideia é gastá-las um pouquinho para o esmalte fixar com mais facilidade. Uso uma lixa especial, maior e mais resistente, mas há quem use lixas convencionais. Depois, escolho a cor entre os esmaltes próprios para pets – a marca é americana, mas vendida no Brasil – e passo a primeira camada. Na sequência, aplico a segunda camada de esmalte e finalizo com uma de brilho. A secagem é super-rápida. Por garantia, coloco as patinhas no secador por um minuto e pronto! E o melhor: tudo isso demora apenas 20 minutinhos.

Cobro entre R$ 5 e R$ 15 pelo serviço de patacure, de acordo com o porte do animal – os maiores dão mais trabalho! E as unhas ficam lindas e intactas por até sete dias. Para remover, recomendo aos clientes que voltem à pet shop. É que temos um produto especial para isso e, geralmente, a acetona causa alergia nos bichinhos...

As unhas ficam impecáveis por até sete dias!
As cadelas e gatinhas ficam tão lindas de unhas feitas! O esmalte dá um toque bem feminino ao visual e elas chamam a atenção por onde passam!  E eu me sinto realizada ao ver o resultado do meu esforço e a satisfação das minhas clientes! - LENI LEONEL, 43 anos, esteticista animal, São Paulo, SP

“Todo mundo parou para olhar as unhas da Fiona na rua!”
“A primeira vez que vi minha cachorrinha de unhas pintadas, fiquei encantada com tanta fofura. Levei a Fiona a uma pet shop e soube que eles ofereciam o serviço de patacure. Decidi testar na minha buldogue francesa que tem 2 aninhos. Pedi que a Leni usasse um esmalte cor-de-rosa. A Fiona ficou tão meiga que todo mundo parou na rua para admirá-la! O esmalte durou uma semana e descascou sozinho. Agora, pelo menos uma vez por mês levo minha cachorrinha à patacure. Este mês, vou fazer uma festa de aniversário para a Fiona e vou fantasiá-la de Branca de Neve. Para combinar, vou pintar suas unhas de vermelho. Ela vai ficar incrível, não vai?” - DANIELLE MESQUITA,  21 anos, estudante, a dona da Fiona

09/03/2015 - 13:40

Conecte-se

Revista Sou mais Eu