Com as tatuagens caninas, os pets esbanjam estilo!

Duas leitoras mostram o sucesso de suas cachorrinhas com as tattoos próprias para animais de estimação. Elas são temporárias e não fazem mal aos bichinhos!

Sou Mais Eu Digital

Com as tatuagens caninas, os pets esbanjam estilo! | <i>Crédito: Arquivo Pessoal
Com as tatuagens caninas, os pets esbanjam estilo! | Crédito: Arquivo Pessoal
As tatuagens para pets já são um sucesso nos EUA e estão cada vez mais populares aqui no Brasil. Mas, calma, não é uma tattoo definitiva. O procedimento não é feito com agulha nem causa dor no bichinho: os desenhos são feitos com uma tinta especial para uso veterinário que é temporária – sai após algumas lavagens – e inofensiva. O procedimento consiste apenas em tingir o pelo do animal! 

O que estampar fica ao gosto do freguês. Há diversas opções: tribal, borboleta, estrela, flor, coração, nomes, frases e até brasão de time de futebol. Vale tudo! Também dá pra glamourizar a tattoo aplicando pedrinhas e glitter.  Fica bem chique! 

Para quem gosta de deixar seu animal de estimação diferente, como nossas leitoras Elisangela e Erika, esse é um jeito bem divertido e criativo. Uma coisa é certa: os animais tatuados chamam a atenção por onde passam. Por isso, prepare-se: seu cãozinho arrancará muitos “Ai, que fofo!” por aí! 

Minha vira-lata fica toda toda quando as pessoas elogiam suas tatuagens. É exibida... 
 
A Mel entrou na minha vida de um jeito bem especial. Há três anos, encontrei a coitadinha dormindo na rua, perto de onde moro. Ela estava doente, magra, faltava um dente e tinha acabado de ter filhotes. As pessoas, comovidas, adotaram os filhotinhos, mas a pobre da mãe ficou lá. Mesmo morando em apartamento e já tendo o Fred, meu shitzu, resolvi levar a vira-lata guerreira pra casa. Para recuperar a Mel, levei a pequena ao veterinário, castrei e adestrei. Poucos meses depois, ela já estava forte, saudável e feliz! Só que ninguém achava que ela era fêmea – parecia um menino! Aí, comecei a dar uns toques mais femininos nela. Hoje ela não sai de casa sem brinco, bandana, laço... É cheia dos fricotes! Nem dá pra acreditar que é a mesma cachorra. 


E foi numa das vezes que levei a Mel para tosar, em 2013, que o atendente da pet shop me apresentou a tattoo canina e me encantei por essa arte. De lá pra cá, minha filhota já fez mais de 20 tatuagens! Virou tradição: a cada três meses, quando tem a tosa e o pelo fica mais curto, a gente faz uma pintura nova. No aniversário do Fred do ano passado, ela tatuou borboletinhas e um cachorrinho em homenagem ao irmão. Ficou muito fofo! Quando passeio com ela tatuada na rua, a primeira reação das pessoas é de estranhamento. Já teve gente que veio brigar comigo achando que a tatuagem era de verdade, acredita? Então, quando explico que é uma tinta e sai com água, todo mundo curte. Aí ninguém segura a Mel. Cada vez que alguém chega perto e faz um elogio, a exibida abana o rabo e se rebola toda, feliz da vida! Depois de todo esse tempo fazendo tattoos na Mel, finalmente criei coragem e fi z uma de verdade em mim. No mês passado, tatuei duas patinhas que representam a Mel e o Fred: eles são os amores da minha vida, minha família! - ERIKA SANT’ANNA MALASPINA, 37 anos, autônoma, Rio de Janeiro, RJ

A Bella é igualzinha a mim:  perua assumida! Ela faz o maior sucesso com as tattoos! 

Me derreti quando o Marcelo, meu marido, chegou com aquela bolinha branca e fofa em casa. Meu amor me deu a Bella de surpresa em 2010 e ela tomou conta das nossas vidas desde então. Tratamos nossa cachorrinha como filha, e ela súper puxou a mãe: sou perua assumida! Amo fazer uma produção, me maquiar, botar salto... E com a Bella é a mesma coisa. De vez em quando, eu e minha West Terrier usamos até o mesmo look. Saímos as duas de oncinha, é um barato! Nas minhas fotos do Instagram só dá ela: de chapéu, echarpe, fantasiada, de saia... 

Na pet shop, a Bellinha recebe vários tratamentos estéticos, como hidratação para clarear os pelos, patacure e massagem relaxante. É vida de rainha mesmo! E foi lá na pet shop, em junho do ano passado, que me ofereceram o serviço de tattoo. Eu já havia ouvido falar, mas nunca tinha visto assim, ao vivo e em cores. Amei! 


Para começar, pedi para tatuarem estrelinhas coloridas e brilhantes no quadril da Bella. Ficou show! Nas vezes seguintes, fizemos um coração estilizado com laço e até uma estampa com tema de Halloween. Isso é o mais legal da tatuagem temporária: como não traz nenhum risco à saúde do animal e sai tranquilamente com os banhos, dá pra fazer quantas vezes quiser! 

No parquinho onde minha pequena brinca, ela faz o maior sucesso quando chega tatuada. As pessoas querem ver de perto e sempre pedem o contato da pet shop. Da próxima vez, vou fazer uma tattoo temporária em mim também, igualzinha à da Bella, para desfilarmos bem estilosas juntas. Me apaixonei por essa moda!” - ELISANGELA CUNHA MONTEIRO, 36 anos, gestora ambiental e professora, Rio de Janeiro, RJ

Tatuagem temporária é segura para os cachorros
Desde que feita com o produto correto, a tatuagem canina não traz nenhum prejuízo aos animais. “A caneta artística utilizada para fazer o desenho deve ser própria para uso veterinário, ou seja, à base de água e atóxica”, diz a veterinária Juliana Antunes, da clínica veterinária Medicus-Vet, no Rio de Janeiro. A especialista indica a tatuagem apenas em cães com pelo curto, pois do contrário pode não ficar tão bonito. 

Normalmente, os desenhos são feitos com moldes vazados, mas a pintura também pode ser livre. Nesse caso, vale a criatividade e a habilidade do pet stlylist! O preço varia de acordo com o tamanho do animal e a quantidade de desenhos, mas em média os clientes pagam R$ 30 para ter seu bichinho tatuado. A duração da pintura é de dois a três banhos. “Lá fora existe um produto fixador que faz os desenhos durarem até dez banhos”, indica o médico veterinário Raphael Nogueira. Juliana faz um alerta: “As tatuagens não são recomendadas para cães que costumam se lamber muito. Apesar de a tinta ser atóxica, ela não foi feita para ser ingerida”. Pelo mesmo motivo, as tattoos não são feitas em gatos. 


17/04/2015 - 09:00

Conecte-se

Revista Sou mais Eu