"A casa da Hana tem ar “cãodicionado”!"

A coitadinha da cachorra sofria com o calor, mas agora é só alegria! Ela não quer mais sair dos seus aposentos, é uma madame!

Reportagem: Daniel Lopes

A casinha da Hana tem ar “cãodicionado”! | <i>Crédito: Arquivo Pessoal
A casinha da Hana tem ar “cãodicionado”! | Crédito: Arquivo Pessoal
Sabe quando o sol parece torrar a nossa pele? Aquele dia de junho deste ano estava exatamente assim. Enquanto eu e minha família sofríamos dentro de casa, a Hana, nossa cachorra, penava de tanto calor na sua casinha. Aproveitei o tempo quente pra regar as plantas do quintal e espirrei um pouco de água nela. A danada se animou: não queria sair debaixo do esguicho! Foi aí que a Wiomara, minha filha, deu uma ideia: “Pai, se ela gosta tanto de se refrescar, por que não tem um ar-condicionado também?” 

Minha cadela não aguentava o calor da nova casinha! 

Parecia uma boa solução. Afinal, quando a Hana era menorzinha, ficava o tempo todo dentro da nossa casa e, nos dias de calor, se enfiava no quarto, onde temos ar-condicionado. Era o jeito que ela achava de se refrescar e brincar com meus filhos. Só que o tempo passou e a Hana cresceu. Como ela é um pastor alemão, ficou enorme e não cabia mais convivendo com a gente lá dentro. 

Por isso, no começo deste ano, resolvi construir uma casinha pra ela no nosso quintal, onde ficaria mais confortável. Como a grana estava curta, levantei tudo só no tijolo e cobri com um telhado de metal. A Hana já foi pra lá desconfiada. E não deu outra: a cachorra não gostou nada, nada. 

Na primeira semana, já ficou passando mal por causa do calor. Eu morria de dó, mas nosso terreno não tem cerca e ela poderia fugir. A Hana andava pelos cantos, sempre cabisbaixa, sem força pra nada. Cheguei a pensar que a coitadinha estava com alguma doença grave. Levei ao veterinário, mas ela estava completamente saudável. 

O que deixava a pobrezinha sofrendo tanto era o calorão. Na minha cidade, chega a fazer 45 ºC num dia, mesmo fora do verão. Se a gente já sofre pra aguentar dentro de casa, imagina a cachorrinha naquela casinha, sufocando de tão abafada... Mas não seria por muito tempo! 

Gastei R$ 1.500 e minha conta subiu, mas não me arrependo! 

Instalei o ar-condicionado na casinha dela há três meses. Foi um sufoco pra conseguir pagar! Gastei R$ 1.500 no aparelho, em dez parcelas. Mas não tive que gastar com mão de obra, já que sou técnico em instalação de ar-condicionado. Demorei só um dia para deixá-lo prontinho, na parede da casinha da Hana! 

Assim que o ar foi instalado, ela já mudou da água para o vinho. O cansaço e a moleza passaram e nossa cachorra voltou a latir mais, brincar, pular... Desde então, o ar fica ligado pelo menos duas horas durante o dia e uma hora pela noite. Assim que a Hana ouve o barulhão dele ligando, já corre pra dentro da casinha para se refrescar! O veterinário disse que não tem problema algum nosso pet ter um ar-condicionado na casinha. Pelo menos até agora, ela não passou mal nenhuma vez. 

Nossa conta de luz aumentou cerca de R$ 80, mas isso não é nada se comparado à alegria de ver nossa Hana tão bem. Aqui em casa, ninguém da família passa calor, inclusive nossa cachorra! - WYOMAR RAMOS DE ARAÚJO, 39 anos, téc. em ar-condicionado, Guaraí, TO

Calor prejudica respiração do pet

O veterinário do hospital Pet Care, Marcelo Quinzani, não vê problemas em instalar um ar-condicionado na casinha da Hana, mas ressalta: “A refrigeração em ambientes fechados pode tornar o ar mais seco, além de acumular ácaros quando o aparelho está sujo, o que poderia levar os animais a desenvolver problemas respiratórios”. Para quem não quer arcar com os altos custos de um ar-condicionado, Marcelo dá algumas dicas: “Ambientes sombreados e o uso de ventiladores são indicados, desde que o ar não vá direto nos animais. É importante que o bichinho tenha água fresca à vontade, para diminuir a temperatura do corpo”. O excesso de calor pode fazer muito mal aos cachorros. “Como eles não transpiram, o ar quente e úmido prejudica a respiração, principal forma de controlar a temperatura corporal e refrescá-los”, explica o especialista.







20/10/2015 - 09:00

Conecte-se

Revista Sou mais Eu