"Lucro R$ 6 mil vendendo marmita!"

Depois de ser demitido e passar fome, Pedro Paula deu a volta por cima entregando refeições prontas pelo condomínio. É sucesso!

Reportagem: Daniel Lopes

PEDRO PAULA LUCAS PEREZ | <i>Crédito: Arquivo Pessoal
PEDRO PAULA LUCAS PEREZ | Crédito: Arquivo Pessoal
Este ano começou com muita alegria. Eu e a Kathelin íamos nos casar! Já estava tudo preparado. As prestações da cerimônia estavam sendo pagas desde o ano passado e a data marcada para fevereiro. Mas eis que, às vésperas do casamento, minha esposa foi demitida da loja onde trabalhava. Não nos desesperamos para não estragar a festa. Mas, depois do casamento, a bomba explodiu: também fui demitido do meu emprego numa empresa de bebidas num corte de pessoal. Se já não estava fácil antes, eu e a Kath ficamos aflitos quando nos vimos naquela situação. 

A receita de pão caseiro da minha mãe tirou nossa barriga da miséria 

Logo depois que fui demitido, em março deste ano, minha primeira preocupação era como pagar o aluguel. Além das dívidas do casamento, a gente não conseguia mais bancar as contas de casa. Não dava nem pra comprar comida! Teve dias em que só tínhamos pão velho e água... 

Então, meu sogro sugeriu que a gente se mudasse para uma casa no condomínio dele, em outra cidade, onde o aluguel era mais barato e eu teria mais oportunidade de encontrar trabalho. Nos mudamos e passamos a enviar currículo para várias lojas e agências de emprego. Nada apareceu. Faltava só uma semana para vencer o pagamento do aluguel da nova casa e ainda não tínhamos dinheiro nem pra comida. 

Liguei para a minha mãe pra pegar a receita de um pão caseiro delicioso que ela fazia, para que eu e a minha esposa tivéssemos algo pra comer. Compramos os ingredientes com dinheiro emprestado do meu sogro e o pão ficou tão bonito e gostoso que postei uma foto dele no grupo do condomínio onde moramos no Face. Nem passou pela minha cabeça que aquela imagem do pãozinho seria só o começo da guinada na nossa vida! 

Já no dia seguinte, recebi três pedidos de pão caseiro, mesmo sem dizer no post que eu estava vendendo. Comprei mais ingredientes com a ajuda de familiares, prometendo que pagaria tudo depois. No outro dia, a quantidade de encomendas dobrou e foi só aumentando! Cheguei a vender 20 pães por dia já na primeira semana, entre a versão tradicional e as recheadas. Com o dinheiro que consegui, deu pra pagar o aluguel e ainda sobrou! O pão virou uma salvação pra gente. Era nossa fonte de renda, uma maneira de fugir do desemprego e garantir nosso sustento. 

Fizemos fama com pães e depois lançamos o delivery de marmita! 

Para ganhar mais, começamos a fazer pizzas para vender na vizinhança. Divulgávamos nossos produtos diariamente no Face, recebíamos as encomendas por Whats ou inbox e eu entregava tudo a pé pelo condomínio, onde vivem cerca de 4 mil pessoas. Isso rendia R$ 3.500 de lucro todo mês, mais do que nossos antigos salários somados! Deu até para comprar um carro usado para usar nas entregas. 

Quando achamos que nossa situação não poderia melhorar, tivemos uma ideia que dobrou nosso rendimento. Muitos clientes elogiavam nossos produtos e ressaltavam a praticidade de não ter que cozinhar. Era isso! A gente venderia comida “de verdade” para o pessoal! Todo mundo sabe que marmita faz muito sucesso e, com o nome que tínhamos conquistado, nosso negócio tinha tudo pra bombar! 

Nossa ideia era ter um restaurante delivery. As pessoas teriam diversas opções de pratos para escolher e receberiam as refeições completas em casa! Aí, investimos a grana das massas nas embalagens de marmitex e nos ingredientes. 

Nosso esquema seria simples: a base era arroz e feijão ou macarrão e legumes cozidos, salada de folhas ou farofa acompanhavam. Para as misturas, teríamos bife acebolado, filé de frango grelhado e até bisteca. Sem contar as versões caprichadas, como o filé à parmegiana ou a cavalo e uma criação nossa que era a picanha quatro queijos! Cada marmita custava entre R$ 14 e R$ 21. Se a pessoa quisesse refri, pagava mais R$ 5. 

Desde agosto deste ano, são ao menos 20 pedidos por dia, o que rende R$ 6 mil de lucro mensal! Mas é pauleira, viu? Eu e a Kath acordamos às 8 h e já começamos a cozinhar. As entregas são feitas no horário do almoço, das 11 h às 15 h, e no jantar, das 19 h às 22 h. Não cobramos taxa de entrega. Afinal, não leva mais que quatro minutos para eu chegar à cada casa. 

Somos sucesso no condomínio e queremos abrir um restaurante! 

Tem cliente que me liga com antecedência pedindo marmitas para o dia seguinte ou até deixa registrado o que quer na semana toda. Mas ninguém precisa ter pressa: dá pra ligar no mesmo dia e a entrega é feita em, no máximo, 50 minutos! 

Já estamos comprando um forno industrial e uma nova geladeira para dar conta dos pedidos, que continuam crescendo. Nosso sonho é, um dia, abrir um restaurante e oficializar nosso negócio. Até lá, vamos poupando o dinheiro que ganhamos com as marmitas, que são um verdadeiro sucesso no condomínio. Se alguém me dissesse que um dia eu ganharia tanto vendendo comida quando eu ainda estava passando fome, nunca teria acreditado. Que ironia do destino, né?! - PEDRO PAULA LUCAS PEREZ, 23 anos, cozinheiro, Votorantim, SP

Ganhe grana e elogios com a sua marmita!

Eu e minha esposa mudamos de vida quando passamos a vender marmitas na vizinhança. Você também pode faturar com isso, mas é preciso ter alguns cuidados: 


• GRUPOS DA VIZINHANÇA: encontrar um grupo do bairro no Face ou no WhatsApp é uma boa forma de oferecer seus produtos. 

• SEM DESPERDÍCIO: vamos ao mercado dia sim, dia não para que não haja desperdício de comida. Tudo que compramos num dia já tem que ser reposto dois dias depois! 

• TUDO FRESQUINHO: o arroz e o feijão são preparados a partir das 8 h, mas as misturas só são feitas perto da entrega para chegarem fresquinhas aos clientes. 

HIGIENE É FUNDAMENTAL: usamos luvas de borracha e toucas para que nenhum tipo de sujeira chegue aos alimentos.

• PRATOS DE SUCESSO: o bife acebolado e o filé à parmegiana estão sempre entre os mais pedidos. Vale a pena apostar neles. 

• MENOS GORDURA: a batata frita encharcava a marmita de óleo. Por isso, substituímos por batata palha. Economizamos e a refeição ficou menos gordurosa para os clientes. 

• EM TEMPO REAL: sempre postamos no Face quando estamos fazendo os pratos, nossos horários de entrega e avisamos quando a comida está pronta!




05/11/2015 - 12:00

Conecte-se

Revista Sou mais Eu