"Ganho R$ 4 mil com saladas no pote"

Janaina começou com apenas R$ 60 e, quatro meses depois, recebe 600 encomendas por mês. Vai até ampliar sua cozinha!

Reportagem: Caroline Cabral

Vendo salada no pote e lucro R$ 4 mil por mês | <i>Crédito: Vitor Bermudes
Vendo salada no pote e lucro R$ 4 mil por mês | Crédito: Vitor Bermudes
Quem trabalha fora e tem uma vida corrida precisa de facilidade na hora de almoçar. Não é pra menos que as redes de fast food fazem tanto sucesso há anos. Só que conveniência não é mais suficiente para muita gente. Ao mesmo tempo em que as pessoas estão cada vez mais preocupadas com a saúde e o peso, elas ainda têm dificuldades para preparar as próprias refeições. Esse era o meu problema no começo deste ano, quando descobri que a nova moda nos Estados Unidos era comprar salada no pote de vidro. Aí, comecei a fazer uma saladinha pra mim e acabei montando um negócio bem lucrativo! 

Comecei fazendo pra mim e já recebi encomendas 

Vi uma salada no pote pela primeira vez no Facebook de uma amiga. Ela tinha preparado cinco potinhos para levar no serviço ao longo da semana. Achei a ideia genial e na hora quis fazer igual. Pesquisando na internet, descobri que aquilo era febre entre os americanos e o motivo de as pessoas usarem potes de vidro era porque esse material conserva os alimentos melhor do que o plástico. Só que esse modelo de refeição fez tanto sucesso que virou negócio e tinha gente vendendo até em máquinas na rua, dessas que vendem refrigerante e chocolate. Fiquei impressionada! Tanto que, mesmo eu não sendo muito geração saúde, fiz uns potinhos pra mim. 

Na mesma semana falei sobre o assunto com uma amiga do meu condomínio e ela fez uma encomenda. Ela queria cinco para os almoços da semana. Topei. Afinal, era um dinheiro extra. Aí, comprei dois potes de vidro por R$ 5 cada e cobrei R$ 60 no pacote. Usei o que já tinha na geladeira mesmo para a primeira salada no pote. No segundo dia, peguei o primeiro frasco de volta, esterilizei e entreguei recheado no dia seguinte. Assim, não precisava de um novo para cada almoço. Sem falar que salada tem que ser fresca. Não dava pra entregar tudo na segunda-feira. 

O pote funciona como refil e deve ser devolvido

A salada no pote de vidro é mais do que uma refeição saudável. É bonita. É que o “prato” precisa ser montado em camadas, deixando os alimentos úmidos embaixo e as folhagens por cima para não ficarem úmidas. Além disso, ela precisa ser incrementada com proteínas e carboidratos para ter sustança. Minha amiga gostou tanto que começou a fazer propaganda. Foi há quatro meses. 

Não botei muita fé no começo, mas muita gente se interessou. Afinal, eu era a primeira pessoa fazendo isso na cidade. E convenhamos que R$ 60 em cinco refeições é um preço bem honesto. Não demorou para minhas vizinhas descobrirem o que eu estava vendendo. As mulheres eram as primeiras a virarem clientes. Aí elas convenciam os maridos a provarem e eu acabava arrebatando o casal. Nessa primeira fase, quem fazia as entregas era eu, de carro. Os potes continuaram funcionando no esquema “refil” para que eu não precisasse cobrar por eles a cada entrega. 

Renovo o cardápio toda semana. Ninguém enjoa! 

Aos poucos, fechei o preço do pote de salada a R$ 15 quando a pessoa encomendava só a unidade e a R$ 65 para o pacote semanal. Como estava empregada numa emissora de TV, reinvesti todo o lucro dessas vendas em material para o negócio, que resolvi batizar de Pote da Jana. Pedi para um parente desenvolver um logotipo, imprimi adesivos específicos para vidro, que não saem na água, comprei potes e criei uma página no Facebook e no Instagram. Aí, passei a divulgar fotos das saladas e decidi montar um cardápio para padronizar os pedidos, porque isso simplifica as compras. Toda semana ele muda para que os clientes não enjoem. 

Também passei a comprar alguns ingredientes, como as folhagens, diretamente com fornecedores. É que ficava muito mais caro e trabalhoso comprar de pouquinho no supermercado. Para descobrir quem fornecia esse tipo de alimento, fui aos restaurantes que frequento e perguntei aos donos, que me indicaram. Agora, uma pessoa entrega verduras e legumes em casa duas vezes por semana. São 20 pés de alface (roxa, americana, lisa e crespa), dez de rúcula, dez de agrião, dez de acelga e dez unidades de repolho toda vez. Já o palmito, peito de peru, atum, frango, tomate seco e grão de bico compro em atacadões. Não costumo usar carne vermelha porque acaba saindo muito caro. 

Presenteei uma famosa e ganhei muitos clientes! 

Eu não tinha grana para investir em divulgação, mas tive uma sacada que colocou o Pote da Jana no mapa. Sabia que uma cantora conhecida morava perto de casa e resolvi mandar para ela, de graça mesmo, alguns potes de salada para ela conhecer. Mandei sem compromisso. Se ela gostasse e falasse bem, seria ótimo. Se não, pelo menos não tinha perdido rios de dinheiro. Quando fiz isso, tive um retorno maior do que esperava. A cantora não só adorou a ideia como publicou uma foto no próprio perfil do Instagram! Ela virou minha cliente e me trouxe vários por tabela por causa da fama. O número de curtidas na minha página pulou de 270 para 1.000 num único dia! 

Nessa época, eu tinha que rebolar pra dar conta de dois expedientes. Ia pra cozinha antes e depois do serviço. Era uma loucura! O pior era que meu trabalho tinha horários meio imprevisíveis e o delivery de salada tinha que ser muito pontual para não gerar reclasempre disponível para a emissora, fui dispensada em julho deste ano. Mas não fiquei triste. Aproveitei a oportunidade pra entrar de cabeça no negócio! 

Já aluguei uma cozinha maior. Estou crescendo!

Hoje, vendo cerca de 600 potes de salada por mês e lucro R$ 4.000. Os pedidos chegam toda semana – por telefone, WhatsApp e Facebook – geralmente no sábado, quando divulgo o cardápio dos próximos dias. O pagamento é feito em dinheiro, débito ou crédito. As coisas estão indo tão bem que já aluguei uma cozinha industrial para ampliar minha produção. Investi em panfletos de divulgação e também estou pensando em contratar um ajudante. Tenho orgulho do que faço e minha maior satisfação é receber elogios dos clientes. Muitos nem gostavam muito de salada e agora são apaixonados por elas! Recebo várias mensagens de agradecimento e, uma vez, uma cliente devolveu o pote cheio de bolo e palha italiana com a mensagem: “Você distribui seu amor pra gente todos os dias. Nada mais justo que eu retribuir esse amor pelo menos uma vez”. Foi lindo! - JANAINA CARRARETO, 34 anos, autônoma, Serra, ES

Cada ingrediente tem uma ordem certa para entrar no pote. Confira: 


Aptidão na cozinha é só o começo!

Gostar de cozinhar e ter talento para isso não é sufi ciente para vender comida saudável. Como meus clientes querem uma alimentação nutritiva e de baixa caloria, fi z parceria com uma nutricionista. Ela avalia o cardápio que crio toda semana e diz se está balanceado ou se precisa de alguma alteração. Além disso, ela visita minha cozinha regularmente para acompanhar a qualidade dos alimentos e dar assessoria com higiene. 

Isso é tão importante que cheguei a fazer um curso sobre o assunto. Boa parte dos alimentos fica num freezer enquanto não está sendo usada e deixo as carnes pre-cozidas na véspera dentro da geladeira. Se uso frutos do mar na semana, busco fornecedores de procedência excelente e só retiro da refrigeração perto da hora da entrega. A limpeza do meu ambiente é constante e sempre manuseio os ingredientes com luvas e de cabelo preso. Nunca tive reclamações!

O curso que eu fiz:
Para não correr o risco de causar intoxicação alimentar em alguém, fiz um curso online de boas práticas de manipulação de alimentos no site da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Veja: www20.anvisa.gov.br/restaurantes_curso/index.php

Saiba como limpar, secar e conservar a salada!

Buscar ingredientes frescos e de boa qualidade é o que faz a diferença na confecção das saladas, diz o chef Guilherme Cardadeiro, do restaurante La Madre. “Garantir a boa apresentação e manter o padrão de produção é importante para firmar a imagem do seu negócio”, completa. A seguir, confira as dicas do especialista e monte saladas incríveis em casa para comer ou vender! 

■ Deixe as folhas de molho por 10 minutos no hipoclorito de sódio para higienizá-las. Seque-as na centrífuga e no papel-toalha. 

■ Esterilize os potes numa panela com água fervente. Você pode deixá-los no forno aquecido, limpos e secos, por 10 minutos. 

■ Evite maionese, ovos e peixes: são ingredientes muito perecíveis. 

■ Mantenha as saladas refrigeradas entre 7ºC e 15ºC e consuma em até 48 horas. 

■ Deixe os molhos separados. O contato do vinagre, limão e sal com as folhas faz com que elas desidratam, cozinhem e murchem. 

■ Use caixas térmicas ou de isopor para transportar os potes. Elas mantêm a temperatura da salada estável.

Fotos: Vitor Bermudes




07/08/2015 - 09:00

Conecte-se

Revista Sou mais Eu