Superação: "Achei que era dengue, mas eu estava com leucemia"

Beatriz conta que os sintomas são tão parecidos que até os médicos podem confundir. A enxaqueca, as dores e as manchas no corpo eram sinal de câncer

Texto: Caroline Cabral

Beatriz conta que recebeu alta há cinco meses, e que as células cancerígenas não estão mais no seu organismo | <i>Crédito: Arquivo pessoal
Beatriz conta que recebeu alta há cinco meses, e que as células cancerígenas não estão mais no seu organismo | Crédito: Arquivo pessoal
Era agosto de 2015 quando minha garganta começou a doer bastante. Fui ao pronto-socorro com minha mãe e o médico me receitou um anti-inflamatório para a infecção. Cinco dias de medicamento foram suficientes para mandar a dor embora. Ufa! Poucos dias depois, apareceram manchas roxas nas minhas pernas. Curiosa, fui caçar os sintomas no Google para tentar descobrir do que se tratava. Li algo sobre câncer e fiquei tão paralisada pelo medo que acabei ignorando a pesquisa... Não demorou muito para que eu começasse a sentir dores no corpo e uma enxaqueca fora do comum. “Deve ser dengue”, previu minha mãe. Voltamos ao hospital e a médica pediu alguns exames de sangue que só sairiam depois de duas semanas. Fui para casa tranquila, certa de que não seria nada demais...

Torci para que fosse dengue hemorrágica!
Três dias se passaram e manchas vermelhas também começaram a pipocar pelo meu corpo, como uma reação alérgica. Na minha cabeça, era um claro sintoma de dengue, o que me deixou bastante aliviada. No dia seguinte, durante o trabalho, senti um gosto estranho na boca e fui ao banheiro conferir se tinha algo entre os dentes. Meu corpo inteiro ficou gelado quando me olhei no espelho: minha gengiva estava sangrando!

Deu negativo pra dengue e entreguei para Deus... 
Depois de respirar fundo e limpar a boca, avisei minha mãe por mensagem e continuei a trabalhar. Uma hora depois, ela apareceu na minha sala e me levou de novo ao hospital, alegando que aquilo só podia ser dengue hemorrágica. Assim como ela, eu estava torcendo para que fosse mesmo... Fiz o exame da prova do laço, aquele que comprova se é dengue ou não, e o resultado foi negativo. Naquele momento, entreguei meu destino pra Deus e fiquei em paz. Aceitaria o que viesse em meu caminho porque minha vida estava nas mãos Dele. Duas horas depois, enquanto esperava os resultados do novo hemograma, os enfermeiros me disseram que o exame havia dado errado. Pediram uma nova coleta de sangue. Acontece que tinha dado certo, só que a alteração era tão absurda que o médico  optou por refazer o teste para garantir. Após mais algumas horas, sentei na frente do doutor e ele confirmou: todos os níveis estavam bem fora do normal. Fui encaminhada para um laboratório para fazer exames ainda mais específicos: coagulograma, estradiol, FSH e muitos outros. No dia seguinte, já com os resultados do laboratório em mãos, retornei ao hospital e fui internada imediatamente. No domingo de manhã, a médica responsável pelo setor veio conversar comigo e foi bem clara: “Você está com leucemia, Bia, é um câncer no sangue”. Meu Deus, parecia que o mundo tinha desabado na minha cabeça! Não me contive e comecei a chorar compulsivamente. Só lembro de pensar que não poderia mais fazer planos a longo prazo. Era demais para os meus 20 aninhos...

Compartilho minha história no Facebook 
Mesmo com o diagnóstico claro, ainda era preciso fazer um exame para definir o tipo de câncer que eu tinha: mieloide ou linfoide. O resultado foi devastador: leucemia mieloide aguda, a mais delicada e difícil de ser tratada. Me senti tão mal, tão triste... Minha primeira reação foi querer esconder de todo mundo, mas minha mãe foi contra. Sábia, ela ponderou que em algum momento eu teria que contar para os outros e sugeriu que postasse algo no Facebook. Foi a melhor coisa que fiz. Escrevi: “Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, estou com leucemia”. Recebi várias mensagens de apoio, tantas que nem consegui responder todas! Isso me mostrou que eu não estava sozinha. Então, decidi criar uma página para relatar meu dia a dia. Assim nasceu O Diário de Bia – Vencendo a Leucemia, que hoje tem mais de 175 mil curtidas! Publiquei os momentos mais marcantes e difíceis da quimioterapia, desde a doação do meu cabelo até as internações... Durante os seis meses de tratamento, fui internada sete vezes. Foi um período doloroso, mas em janeiro deste ano finalmente recebi alta: as células cancerígenas não estavam mais no meu organismo! Foi uma bênção enorme, venci! Continuo atualizando a página, pois sei o quanto ela ajuda outras meninas na mesma situação. Ver a minha vitória enche a batalha delas de esperança. E, por falar em fé, encontrei dois doadores de medula óssea compatíveis comigo. Neste mês, depois da avaliação de um médico, vou saber se precisarei fazer o transplante ou não. Até lá, entrego a Deus mais uma vez: sei que Ele reserva o melhor pra mim. - BEATRIZ HELOISA ARANTES DE SOUZA, 21 anos, estudante, Votorantim, SP

23/05/2016 - 09:41

Conecte-se

Revista Sou mais Eu