"Produzi minha noiva no nosso casório e foi ela quem me esperou no altar"

"Não é porque foi meu trabalho, não, mas a Lidiane ficou um espetáculo!"

Sou Mais Eu Digital

Jariz Beor | <i>Crédito: Arquivo Pessoal
Jariz Beor | Crédito: Arquivo Pessoal
Comecei minha carreira como auxiliar de cabeleireiro aos 19 anos e foi dentro desse universo da beleza que virei também maquiador e fiz meu nome na cidade. Me sentia realizado profissionalmente, mas no amor ainda não. Então, fiz um propósito com Deus para conhecer alguém de muito bom caráter, pois meu desejo era que minha próxima namorada já se tornasse minha esposa. E Ele me ouviu! Foi no retiro da igreja, em outubro de 2012, que conheci a Lidiane. Fiquei encantado por aquela menina tímida e romântica e, três meses depois, iniciamos o namoro.  Desde o começo, nossa relação foi muito diferente. Não queríamos fazer nada por impulso ou pela carne e decidimos guardar o sexo para depois do casamento – o que também vai ao encontro da nossa religião, pois somos evangélicos. 

Acreditávamos que, dessa forma, sem relações físicas, teríamos mais tempo para dialogar e nos conhecer de verdade. Para o estranhamento de alguns amigos, sacrificamos inclusive o beijo. Combinamos que o primeiro só seria dado no altar. Marcamos a data do grande dia: 28 de fevereiro de 2014. Só que a grana estava bem curta e tínhamos que conter os gastos. 

Pensando nisso, tivemos a ideia de eu mesmo fazer a maquiagem e o cabelo da Lidi. Por que não? Ia ser um privilégio pra mim e, além do mais, nem eu nem meu amor temos essa superstição do noivo não poder ver a noiva antes da cerimônia. E posso falar? Não é só porque foi meu trabalho, não, mas ela ficou um espetáculo! Para completar o pacote do nosso casamento diferente, decidimos inverter as entradas: meu amor foi quem ficou no altar me esperando e eu entrei depois, acompanhado da minha avó. Os convidados ficaram surpresos! Mas essa inversão teve um porquê. 

A ideia da noiva entrar primeiro vem da Bíblia. Quando Jesus diz que vai, mas volta, ele fala como noivo para a igreja, que é sua noiva e está à sua espera. Foram muitas emoções para um dia só: a responsabilidade de arrumar a noiva, minha entrada posterior à dela, a expectativa do primeiro beijo... Haja coração! Nosso amor é tão especial que a oficialização do nosso laço não podia ser diferente. Foi o dia mais feliz da minha vida! - JARIZ BEOR, 25 anos, modelo, cabeleireiro e maquiador, Campo Grande, MS


“Não somos um casal comum mesmo” 

“A emoção do grande dia já começou no momento em que o Jariz me produzia para o nosso casamento. Mas quis fazer a surpresa do vestido. Totalmente pronta, de noiva completa, o Jariz só me viu na hora! Foi muito emocionante ficar no altar, esperando meu futuro marido adentrar o salão vestido de branco e vir em minha direção pelo tapete vermelho. Essa inversão das entradas, além de estar de acordo com nossa interpretação da Bíblia, tem tudo a ver conosco. Não somos um casal comum. Nosso primeiro beijo foi dado no altar porque não queríamos correr o risco da tentação. Nosso grande dia foi tão abençoado quanto é nossa união.” LIDIANE ALVES FAUSTINO, 20 anos, vendedora, a esposa de Jariz

12/05/2015 - 11:00

Conecte-se

Revista Sou mais Eu