“Nasci sem pernas e me tornei ginasta”

Ela decidiu virar atleta na adolescência, inspirada por uma mulher que, anos depois, se revelou sua irmã!

Equipe Sou Mais Eu

“Nasci sem pernas e me tornei ginasta” | <i>Crédito: Reprodução
“Nasci sem pernas e me tornei ginasta” | Crédito: Reprodução

Jennifer Bricker, hoje com 30 anos, é natural da Romênia. Ela nasceu sem as pernas e foi adotada quando ainda bebê.  O médico até sugeriu que os pais a transportassem em um balde, mas eles negaram a ideia. Aos três anos, Jennifer recebeu próteses para as pernas. Mas ela nunca as usava, porque se movimentava melhor sem.

Os pais adotivos de Jennifer sempre falaram abertamente sobre a adoção. "Eu sabia que era romena e que possivelmente tinha sido entregue para adoção porque não tinha pernas", diz Jennifer. E os seus pais sempre a encorajaram a compreender seus pais biológicos, sem julgá-los e fazendo com que ela se sentisse amada e querida.

Jennifer cresceu no estado de Illinois, Estados Unidos, e começou a acompanhar competições de ginásticas pela televisão em 1996. Ela escolheu seu ídolo rapidamente: a também romena, Dominique Moceanu, na época, com 14 anos. Jennifer diz que começou a torcer por ela porque se identificou com a ginasta, se dizia parecida com ela.

Ela começou sua carreira como ginasta bem jovem, inspirada por Dominique. Ninguém acreditava que uma pequena garotinha, que não tinha as pernas, conseguiria ser uma ginasta. Perguntavam “o que ela está fazendo lá?”. E ela sempre dizia que estava ali para ganhar. Aos 10 anos disputou os Jogos Olímpicos da Juventude e aos 11 já era campeã de ginástica tumbling - que consiste em saltos no decorrer de uma pista - pelo estado de Illinois.

Aos 17 anos, a atleta Dominique Moceanu, estava passando por altos e baixos em sua vida. Problemas em sua carreira e família abalavam sua profissão e Jennifer estava acompanhando tudo pelo noticiário.
Quando completou 17 anos, ela questionou sua mãe adotiva sobre a história da sua adoção e descobriu algo inimaginável: "O sobrenome da sua família biológica era Moceanu". Todas as dúvidas de Jennifer foram sanadas ali: ela era irmã de Dominique Moceanu. Depois, sua mãe adotiva mostrou os documentos em que apareciam os nomes dos seus pais biológicos e confirmavam a informação.

Após descobrir a verdade, Jennifer quis entrar em contato com seus pais biológicos. Ela pediu ajuda a um detetive particular da família e conseguiu o contato de Camelia e Dumitru. Eles confirmaram que deram para adoção uma de suas filhas e depois disso, nunca mais atenderam aos telefonemas.

Em 2007, Jennifer decidiu escrever uma carta contando toda a história para sua irmã, Dominique. Na época, Dominique não competia mais pela fase movimentada em que estava vivendo e também por estar esperando o seu primeiro filho. Dentro do pacote, Jennifer colocou seus documentos com assinatura dos seus pais biológicos, escreveu uma carta dizia que foi ela quem a inspirou a ser uma ginasta e colocou também fotos da cintura pra cima, pois achava ser um pouco demais a irmã saber que ela tinha nascido sem as pernas.

Dominique recebeu o pacote com tudo que Jennifer havia mandado e foi um choque pra ela. Ainda no carro, voltando pra casa, ligou para sua mãe perguntando sobre ter dado sua irmã para adoção e a sua mãe confirmou. Dominique escreveu para Jennifer pedindo tempo para processar a novidade e também porque estava prestes a ganhar seu bebê.

Depois do nascimento do seu filho, Dominique fez a primeira ligação para sua irmã, Jennifer. Conversaram e puderam se conhecer melhor. Jennifer conseguiu contar a ela sobre não ter as pernas e ela se impressionou com o fato dela ser uma ginasta de sucesso.

Em 2008, Jennifer, Dominique e a sua outra irmã, Christina, se encontraram pela primeira vez em Ohio. Logo viram a semelhança em suas feições. “Foi como um sonho!” diz Jennifer. Ela ainda conheceu sua mãe biológica, porém, somente em 2010 e diz lembrar-se da cena em câmera lenta. Ela diz não ter sentido raiva em momento algum, pois seus pais adotivos a criaram para que ela não fosse uma pessoa amarga. Já o pai biológico de Jennifer, ela não teve a oportunidade de conhecer. Ele acabou adoecendo e faleceu antes mesmo de se encontrarem.

Hoje, Jennifer vive viajando o mundo dando palestras motivacionais e fazendo shows de acrobacia aérea e encontra as irmãs sempre que possível. "Como irmã mais velha, tenho orgulho - ela está realizando seus sonhos” diz Dominique.

Fonte: http://www.bbc.com/

 Fique por dentro das histórias mais impressionantes do dia. Curta nossa página no Facebook clicando aqui!

14/02/2017 - 19:19

Conecte-se

Revista Sou mais Eu