Faço picolé do meu leite materno: o peitolé!

A nada convencional guloseima é um jeito pra lá de prático de refrescar minha pequena Marina

Reportagem: Letícia Gerola

A Marina adora o refresco nos dias quentes! | <i>Crédito: arquivo pessoal/shutterstock
A Marina adora o refresco nos dias quentes! | Crédito: arquivo pessoal/shutterstock

Aqui em Santa Maria (RS), os termômetros tem batido facilmente nos 35° graus. Para aliviar o calor da minha filha Marina (aos seis meses, ela ainda não consome alimentos sólidos nem sucos) decidi apostar no peitolé - um picolé feito com meu próprio leite. Melhor coisa que eu poderia ter feito! Além de refrescar minha pequena, a "guloseima"  diminuiu o desconforto dela com o nascimento dos dentinhos e ainda curinga aqui em casa quando preciso passar longos períodos fora e o maridão assume a amamentação!

Vi na internet e decidi testar

Por ser funcionária pública e trabalhar como enfermeira obstetra, estou sempre a par das novidades do universo infantil. Lembro-me de ter visto uma postagem na internet há alguns anos sobre esse picolé e fiquei impressionada! Como ainda não estava grávida da Marina e meu outro filho, Murilo, já não amamentava mais, nem dei muita bola. Até que três meses atrás esbarrei em outra notícia sobre o picolé de leite materno. Com a Marina nos braços e prestes a enfrentar o verão gaúcho, decidi testar a curiosa receita! Eu já colocava o mordedor dela na geladeira para deixá-lo fresquinho e aliviar o surgimento dos dentes, então o picolé me pareceu uma ótima ideia.

A bebê estranhou, mas hoje adora!

Foi uma delícia assistir o primeiro contato da Marina com o picolé: ela nunca tinha sentido o que era algo realmente gelado, então fez aquela cara de estranhamento e curiosidade que só os bebês conseguem fazer. Quando percebeu que era o mesmo sabor que estava acostumada, se empolgou e comeu o picolé quase inteiro! Sempre que está muito quente, eu ou o Alex, o paizão, damos o picolé pra ela se refrescar. Ele não substitui uma refeição, mas dá uma boa saciada! Ela acaba mamando menos na amamentação seguinte.

Agora, a família toda ajuda a amamentar

Conhecer o picolé de leite materno abriu meus olhos pra alternativa de congelar o meu próprio leite. Assim, quando vou passar longos períodos fora, meu marido descongela o alimento e dá para a Marina. E continuamos fazendo os picolés! Uma vez, deixei uma quantidade congelada que acabou não sendo suficiente, pois fiquei muito tempo fora... A salvação? O Alex completou a refeição da Marina com o leite no palito. O item gelado pode ser uma alternativa para imprevistos e também uma forma de incluir toda a família no processo de amamentação da Marina: Murilo, 7 anos, adora dar o picolé pra ela e os dois se divertem durante a refeição.

Te ensino a fazer, é facinho!

Higienizo tudo com água e sabão: minhas mãos, a bomba de extração, as forminhas (de plástico, em forma de picolé) para colocar o leite e os palitos. Então, esvazio uma das mamas – que rende alguns picolés de cerca de 50 ml cada – congelo e em um período de 15 dias dou para a bebê consumir. Rápido, fácil e muito saboroso!

Kelen Pompeu, 34 anos, enfermeira obstetra, Santa Maria, RS


DA REDAÇÃO

Atenção redobrada no preparo!

Apesar de não haver contraindicações, para a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC), o picolé de leite materno deve ser feito de forma cautelosa. “O picolé é uma boa opção para aliviar o desconforto do nascimento dos dentes, mas deve ser ofertado de vez em quando! Uma vez por semana é suficiente”, explica o diretor da SBMFC, Rodrigo Lima. Apesar de não diminuir a qualidade nutricional do leite, o congelamento pode oferecer perigos ao bebê caso não seja feito de forma correta! Confira as recomendações:

I - para fazer o picolé

Antes de retirar o leite, lave bem as mãos com água e sabão e passe uma gaze embebida em água morna nas mamas – isso vai evitar que bactérias contaminem o leite materno a ser armazenado. Utilize o mesmo método para higienizar bombinhas de extração caso vá utilizar e também as forminhas que vão armazenar os picolés!

II – congelamento

Despeje o leite nas forminhas higienizadas e coloque no fundo do congelador, que deve estar a uma temperatura de 0° a 4°C. O leite pode ser oferecido ao bebê até no máximo 15 dias após o congelamento!

III – consumo

“É essencial a presença de um adulto na hora do consumo do picolé! Evita que criança engasgue ou encoste o item em algum lugar contaminado”, explica Rodrigo. Caso o bebê não consuma o picolé inteiro, descarte o que sobrou. A saliva também pode ser responsável pela proliferação de bactérias.

08/12/2016 - 19:12

Conecte-se

Revista Sou mais Eu