Criei um banco de bicicleta que pode te fazer gozar

O segredo é o vibrador de 3 cm, que fica num ponto estratégico do selim

Reportagem: Caroline Cabral

O selim da bicicleta tem um vibrador que alcança o clitóris! | <i>Crédito: Suzana Maria
O selim da bicicleta tem um vibrador que alcança o clitóris! | Crédito: Suzana Maria

Há quatro meses seleciono e testo os melhores brinquedos eróticos que posso vender para a mulherada na minha loja virtual, a FluidLab! A variedade de tamanhos e formatos de vibradores é grande, mas a novidade que está dando o que falar é um curioso acessório que ajudei a criar: um selim de bicicleta vibratório. Batizado de Annie, é um banco de bike que traz um  vibrador acoplado. Com ele, os passeios de magrela podem te levar às nuvens!

Tem gente usando até na ergométrica!

A ideia surgiu em uma feira de Economia Criativa, onde conheci a Gabriela, dona do Mala de Garupa. Sua marca produz acessórios para bikes, especialmente os selins. Quando expliquei o conceito que imaginava para o Annie, ela adorou e logo começamos a fazer protótipos. Depois de alguns experimentos com amigas, descobrimos que o tamanho da cápsula vibratória precisava ser menor - ou, em vez de dar prazer, poderia acabar incomodando. É bacana usar uma roupa mais leve para não atrapalhar a sensação, mas as bermudas de pedalar não diminuem o efeito do vibrador.

Depois de um mês de ajustes finos encontramos o tamanho ideal, de três centímetros. O posicionamos bem próximo do clitóris para estimular essa área tão sensível e poderosa! Para deixar o brinquedo bonito e discreto, optamos por uma capa removível e personalizada – são cinco opções de estampa. Lançamos dia 15 de julho e já vendemos para algumas cidades do Brasil. Movido à pilha, o Annie vem com controle remoto que liga, desliga e controla a intensidade da vibração. A venda é totalmente online pelo FluidLab e custa R$ 179. A criatividade da mulherada tem ido longe: algumas estão usando  o selim na bicicleta ergométrica, pedalando dentro de casa mesmo. Afinal, nada como unir o útil ao agradável, né? 

Brunna Rosa, 30 anos, especialista em TI e comunicação, Brasília, DF

02/08/2016 - 16:15

Conecte-se

Revista Sou mais Eu