Adotei 88 crianças deficientes com o meu marido

Esse era o meu maior sonho e o Michael aceitou vivê-lo comigo!

Reportagem: Luiza Schiff

Crédito: Redação Sou mais Eu" title=""Realizamos um sonho juntos!" | Crédito: Redação Sou mais Eu">
"Realizamos um sonho juntos!" | Crédito: Redação Sou mais Eu
A enfermeira americana Camille Geraldi  teve a companhia do marido, Michael, em todos os momentos da sua vida. Seu grande companheiro é médico pediatra. Juntos, os dois dividiram o amor que os uniu entre seus 91 filhos...
 
É 91 mesmo, você não leu errado, não. Camille e Michael tiveram três filhas biológicas e adotaram, ou se tornaram guardiões legais, de outras 88 crianças. Pequenos órfãs e com complicações de saúde de todos os tipos: como síndrome de Down, síndrome de Zellweger, deformações do crânio, problemas de desenvolvimento, autismo, ferimentos mutilantes e outros casos graves. 
 
A primeira adoção aconteceu em 1986, quando o casal já tinha duas filhas. Daí em diante, não pararam mais. Michael morreu no ano passado, aos 73 anos. Camille, hoje com seus 68 anos, ainda cuida de uma boa parte dessa legião.
 
As estatísticas mostram que cerca de 70% dos casais com filhos portadores de necessidades especiais se separam. O casal claramente foge dessa estatística. Camille disse em uma entrevista ao jornal Miami Herald, em 1991, o seguinte: "Nós dois temos um carinho muito grande pelas crianças. Trabalhar para ajudar todos eles foi o que mais nos uniu". Parece que o amor, quando genuíno, supera mesmo todas as barreiras!  




02/07/2017 - 18:33

Conecte-se

Revista Sou mais Eu