Dieta: "Há 10 anos a farinha de coco me mantém magra!"

Dá para fazer tortas, panquecas, pães, bolos, pizzas e um monte de delícias que não engordam

Reportagem: Christiane Oliveira

CAROLINA KRTICKA | <i>Crédito: Arquivo Pessoal
CAROLINA KRTICKA | Crédito: Arquivo Pessoal
Você vai fazer dieta para o resto da vida, porque tem cabeça de gorda!”. Eu tinha 12 anos quando ouvi isso de uma nutricionista. Entrei em pânico, pois ninguém – muito menos uma criança! – lida numa boa com a ideia de viver à base de água e salada. Como eu sofri... E em vão! Quem me dera, ter conhecido já naquela época o incrível poder emagrecedor da farinha de coco, que me permite comer panqueca, torta, bolo... 

Fiquei compulsiva depois de uma dieta restrita 

Minha batalha contra a gordura começou cedo. Menstruei muito cedo e, aos nove anos, uma disfunção hormonal me fez engordar. Em um ano, me tornei obesa, com 1,50 m de altura e 68 kg. Aos 12 anos já havia percorrido uma viacrúcis de endocrinologistas e nutricionistas. O problema é que eu começava a dieta, perdia 5 kg, parava e engordava o dobro. 

Eu era criança e apaixonada por doces, gente! Impossível suportar aquela rotina de carne e salada no almoço, uma fruta no lanche e repeteco do almoço no jantar. Não podia comer um chocolatinho sequer! 

Vivi nesse efeito sanfona a adolescência inteira. Até que, aos 19 anos, atingi os 92 kg. Foi terrível: havia entrado na faculdade e queria que os meninos se interessassem por mim. Em vez disso, ouvia frases do tipo: “Seu rosto é lindo, pena você ser gorda...”. Como se meu peso anulasse minha beleza! 

Foi aí que tomei a decisão de fechar a boca e emagrecer. Mais uma vez, me joguei numa daquelas dietas restritas: salada, fruta,proteína e água. Nada de carboidrato. Também fui para a academia e me acabei em exercícios aeróbicos. 

Em oito meses, caí de 92 kg para 60 kg. Mas o processo cobrou um preço alto: me fez desenvolver uma compulsão alimentar. Fazia a dieta durante a semana e no sábado e domingo comia sem parar. Isso ficou ainda pior quando, aos 25 anos, engravidei do Nicolas. Em nove meses fui para 85 kg! 

O excesso de peso me acamou por 4 meses 

Tanto peso extra me rendeu uma hérnia na lombar. Nicolas nasceu e passei quatro meses numa cama, sem poder fazer nada. Como havia risco de eu ficar para sempre numa cadeira de rodas, o médico me receitou remédios para emagrecer e uma dieta. Resultado: perdi 30 kg em oito meses! Tratei minha hérnia e me curei. Fiquei magra como nunca, pesando 55 kg. Mas meu emocional não estava nada bem. Eu sabia que minha compulsão voltaria com força total e eu não conseguiria manter aquele peso. 

Fui numa nutricionista e contei meu histórico. Disse que era louca por doces, que não conseguia deixar de comer oque eu gostava e que isso me destruía emocionalmente. “Mas quem disse que você precisa deixar de comer o que gosta? É só fazer trocas que tudo bem!”, disse ela. Não entendi muito bem, mas continuei escutando. 

“Você já ouviu falar em farinhas funcionais?”, perguntou. Respondi que não e ela me explicou que eram farinhas saudáveis, podiam substituir a farinha branca em qualquer receita. Na de um bolo, por exemplo. Opa! Bolo? O papo estava ficando interessante. “Isso é uma troca. E você também pode comer chocolate, mas em vez de comer o ao leite, prefira aqueles 70% cacau.” Então, me passou uma dieta com baixo teor de carboidrato, mas que não era nada restritiva. 

Saí de lá animada e comecei a pesquisar essas tais de farinhas funcionais. Testei várias. A de aveia, de amêndoas e de coco – minha predileta. Encontrei várias receitas na internet e, que delícia, dava para fazer de tudo: pão, panqueca, bolo, torta, lasanha e até pizza! Foi a solução dos meus problemas, ainda mais quando testei e comprovei que o gosto da massa fica idêntico. 

Sei como comer até chocolate sem engordar 

É com essa dieta que há quase dez anos mantenho meu peso. Além da farinha, descobri outras gostosuras que cabem na minha alimentação, como ketchup zero açúcar, a essência de baunilha (não tem caloria e adoça) e o chocolate com 85% de cacau. 

Porque ser magra não significa se privar, amiga! Basta fazer trocas que deixem as refeições saudáveis! Aquela nutricionista até acertou em dizer que eu tinha cabeça de gorda, mas numa coisa ela errou: não preciso viver de dieta para o resto da vida para continuar magra. Só tenho que fazer as escolhas certas e comer sem engordar! - CAROLINA KRTICKA, 34 anos, relações públicas, Brasília, DF

O cardápio da Carol - Avaliado pela nutricionista Luana Stoduto

Café da manhã
• 1 bolinho de micro-ondas feito com 3 claras, 1 colher (sopa) de farinha de coco, 1 colher (chá) de canela em pó, 1 colher (chá) de gengibre em pó, 1 banana
• 100 ml de café sem adoçante e sem açúcar com 1 colher (sopa) de óleo de coco 

Lanche da manhã
• 1 fatia de queijo minas frescal light 

Dica da nutricionista: Acrescente 300 ml de água de coco ou chá mate com limão sem açúcar. 

Almoço
• 100 g de frango ou carne ou peixe
• 2 colheres (sopa) de legumes no vapor
• salada de folhas à vontade
• 60 g de batata doce cozida 

Dica da nutricionista: Se optar pelo frango aumente a porção para 120 g 

Lanche da tarde
• 1 panqueca proteica (veja receita na página seguinte) recheada com 1 colher (sopa) de pasta de amendoim sem açúcar 

Jantar
• 100 g de frango ou carne ou peixe
• 2 colheres (sopa) de legumes no vapor
• salada à vontade 

Dica da nutricionista: Se optar pelo frango aumente a porção para 120 g 

Ceia
• 1 taça de gelatina zero açúcar

Farinha de coco reduz a fome e o acúmulo de “massa gorda”

As farinhas funcionais revolucionaram o mundo das dietas. “Elas possuem um porção de nutrientes que fazem bem à nossa saúde e balanceiam a alimentação – ao contrário das tradicionais, que são cheias de calorias vazias,”, explica a nutricionista Luana Stoduto. Disponível em várias versões (de aveia, amêndoas, arroz...), foi a opção de coco que cativou Carol. Eis as muitas vantagens que a nutricionista destaca nela:

Reduz a fome: rica em fibras, forma um gel volumoso ao entrar em contato com a água no sistema digestivo, preenchendo o estômago e promovendo saciedade. 

Diminuí a vontade por carboidratos: esse gel envolve o bolo alimentar. Isso torna mais lenta a liberação da glicose na corrente sanguínea, reduzindo por um tempo a vontade de carboidratos. 

Reduz o depósito de gordura: com menos glicose sendo liberada no sangue, o pâncreas produz menos insulina – hormônio que leva o açúcar para dentro das células e estimula o depósito de gordura no tecido adiposo, diminuindo o acúmulo de “massa gorda”. 

Regula o intestino: a quantidade de fibras da farinha de coco regula o intestino e ainda ajuda na digestão. Mas é importante beber bastante água.





10/03/2016 - 11:51

Conecte-se

Revista Sou mais Eu