Passei um trote no desconhecido e ele virou meu marido

Nos casamos em 1974 e somos muito felizes até hoje!

Redação Sou mais Eu

Ele é o amor da minha vida! | <i>Crédito: Redação Sou mais Eu
Ele é o amor da minha vida! | Crédito: Redação Sou mais Eu
Telefone era sinônimo de riqueza na década de 60. Por isso, quando meu pai comprou uma linha para a nossa casa, em 1961, foi a maior festa: os vizinhos e familiares ficavam curiosos para ver como aquele aparelho funcionava! Minha casa passou a ficar sempre lotada. Eu tinha 14 anos e adorava! Alguns meses depois, uma prima veio nos visitar e resolvemos brincar com o telefone. E, claro, nada melhor do que passar trote. Logo na primeira ligação, atendeu uma menininha e eu falei: "Posso falar com o seu irmão?". Quando a criança disse que sim, fiquei com tanta vergonha que desliguei! Minha prima me convenceu a tentar de novo. Comecei a ligar para vários números para ver se achava novamente o tal irmão da garotinha. Na décima tentativa, a mesma voz atendeu o telefone. A menina chamou o irmão e começamos a conversar. Expliquei para ele que estava passando um trote e o papo foi rendendo. O rapaz me disse que tinha 16 anos, morava na minha cidade e se chamava Jeri. Ele era tão atencioso e gentil que fui ficando toda derretida do outro lado da linha. Desliguei o telefone e fiquei pensando quando nos falaríamos novamente... Só podia telefonar quando meu pai não estava em casa. Assim que ele saía, eu corria para ligar para o Jeri. Nessa brincadeira, começamos a namorar escondido, só por telefone. Nosso primeiro encontro aconteceu dois anos depois! E, claro, tudo sem nossos pais saberem. O Jeri e eu combinamos de nos encontrar na padaria na esquina da minha casa. Eu nunca tinha visto sequer uma foto dele, mas, assim que o encontrei, não tive dúvidas de que ele era o meu grande amor! Nosso encontro foi muito gostoso, mas não nos beijamos, acredita? Aí, alguns meses depois, eu ia viajar com minha família para a Praia Grande, no litoral de São Paulo, e comentei com o Jeri. E não é que ele convenceu os pais dele a viajar também? Assim que nos encontramos na praia, demos o nosso primeiro beijo ao som das ondas do mar. Aí, o Jeri foi até a minha casa e fez o pedido para os meus pais. Eles gostaram dele e aceitaram na hora! Namoramos por 13 anos e, em 1974, nos casamos! E somos muito felizes até hoje! 

Vera Lúcia Gonçalves Dias Mazzoni, 69 anos, aposentada, Santo André, SP 

Da redação 

09/06/2017 - 18:00

Conecte-se

Revista Sou mais Eu