O policial que me socorreu no acidente virou meu marido!

Bati meu carro na estrada e o Rhenius apareceu para cuidar de mim

Reportagem: Giulia Gazetta (com colaboração de Luiza Schiff)

Ficamos noivos em três meses! | <i>Crédito: Redação Sou mais Eu
Ficamos noivos em três meses! | Crédito: Redação Sou mais Eu
A gente nunca sabe quando vai encontrar o grande amor da nossa vida, né? Pode ser na fila do banco, na padaria, no ônibus... A gente só não espera que ele chegue numa viatura da polícia, no meio de um acidente, trazendo um bloquinho de multa em vez de um buquê de flores. Pois foi assim que o homem que se tornaria meu marido entrou na minha vida, para nunca mais sair. 
Dormi ao volante e me estrepei 
Era madrugada e eu estava voltando da festa de aniversário de um amigo, em 2011. O cansaço e o copo de vinho que bebi me fizeram dormir no volante. Rodopiei na pista, bati de um lado para o outro e acertei um caminhão de lixo. Apesar da força do impacto, não perdi a consciência. Quando meu carro parou, coloquei a mão na cabeça e pensei: "Meu Deus, isso não pode estar acontecendo!". Meu carro ficou destruído, deu perda total. Por sorte, eu estava usando o cinto de segurança e não tive nenhuma fratura. Só fiquei cheia de hematomas. 
Em poucos minutos, eu já estava fora do carro, cercada por policiais. Um deles, o Rhenius, foi muito educado e prestativo. Perguntou se eu estava bem e se precisava de ajuda. Só que não me livrou da multa por dirigir alcoolizada. Ele parecia muito correto. 
Depois, Rhenius chamou o guincho para levar o meu carro embora e eu não tinha mais como voltar para casa. O motorista do caminhão de lixo me ofereceu uma carona, mas o Rhenius não me deixou aceitar e acabei voltando para casa de viatura. 
Fiquei com seu número de telefone 
Enquanto íamos para minha casa, perguntei para o Rhenius se ele poderia impedir que a notícia fosse publicada na imprensa local. Eu estava com muita vergonha do que tinha acontecido. Ele disse que faria o possível para me ajudar e me deu um cartão com seu número de telefone. Falou que eu poderia ligar se tivesse qualquer dúvida ou problema. 
No dia seguinte, lá estava eu estampada nos jornais da cidade! Liguei para o Rhenius inconformada: "Como assim? Você não disse que ia me ajudar?", disparei. Ele disse que não conseguiu segurar a informação, pois os outros policiais falaram com a imprensa. Aos poucos, ele conseguiu me acalmar. Fomos conversando, conversando... até percebermos que havia uma grande empatia entre nós. 
Naquela noite, Rhenius foi me visitar com a desculpa de que queria saber como eu estava me sentindo. No dia seguinte, ele bateu na minha porta novamente e senti um clima diferente no ar. Conversamos muito e descobrimos que tínhamos um passado muito parecido. Nós dois estávamos separados, com filhos, e havíamos sofrido com relacionamentos que não deram certo. No fim, acabamos nos beijando. Foi maravilhoso... Depois disso, nunca mais passamos um único dia sem nos ver! 
Ficamos noivos após 3 meses! 
Para ser sincera, eu sempre fui um pouco "fora dos padrões". É que saí de casa com apenas 16 anos, precisei trabalhar muito cedo, tive meu primeiro filho aos 26 anos, me envolvi em relacionamentos errados e vivia uma vida bem maluca. 
Quando conheci o Rhenius, minha vida finalmente teve paz, e percebi que ser normal era legal. Depois de três meses, nós já estávamos noivos! Compartilhávamos o sonho de um casamento na igreja, mas não tínhamos dinheiro para uma cerimônia de grande porte. Então, depois de nove meses, nos casamos no civil e juntamos nossas escovas de dente. 
Ele me fez um casamento-surpresa! 
Quando já morávamos juntos havia dois anos, e muito felizes, o Rhenius decidiu organizar um casamento-surpresa pra mim. Ele sonhava em me ver vestida de noiva entrando em uma igreja... 
Meu amor organizou a cerimônia durante sete meses em segredo. Fez a lista de convidados, escolheu a igreja, a decoração, pediu ajuda para alguns amigos da imprensa, conseguiu patrocínio para a festa e bolou um plano perfeito: um concurso fotográfico. 
Foi assim: eu tinha uma amiga fotógrafa e ela me procurou dizendo que precisava da minha ajuda. Falou que estava participando de um concurso fotográfico de noivas e tinha que encontrar uma modelo. Topei na hora. Fomos juntas fazer a prova de vestido e pude escolher aquele que mais tinha gostado. No grande dia, ela me disse que, para fazer as fotos, usaríamos a decoração de um salão que havia acabado de celebrar um casamento. Por isso, não desconfiei nem do carrão que me conduziu até a cerimônia. Pensei que tudo era parte do cenário. 
Quem abriu a porta do carro foi o meu pai. E ele estava segurando um buquê de noiva. Nossa, fiquei arrepiada da cabeça aos pés. Ele me falou que aquele era o meu casamento e que não tinha nenhum ensaio fotográfico. Senti uma felicidade tão grande que achei que não fosse caber em mim! 
Comecei a chorar e não parei mais. A caminho do altar, andei com os olhos fixados no Rhenius e um sorriso gigante na boca. A cerimônia foi maravilhosa! Depois, já emendamos uma superfesta, tudo organizado com carinho e perfeição pelo meu amor. Foi um momento que vou guardar pelo resto da minha vida... 
Olha, eu já havia desistido dessa história de ter um grande amor, achava que era só fantasia. Mas o Rhenius me mostrou que às vezes os contos de fadas também podem se tornar realidade. Ele foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida e eu agradeço por essa união todos os dias. 
Suzana Rhenius, 35 anos, assistente administrativa, Blumenau, RS 

"Comecei a viver depois que conheci a Suzana" 

"Minha vida antes da Suzana não tinha muita graça, a não ser pelos meus filhos. Eu tinha 36 anos quando a vi na madrugada do acidente, nervosa e preocupada. Senti uma vontade enorme de ajudá-la, de ficar perto dela. Foi por isso que logo voltei a procurá-la e nunca mais deixei que ela escapasse. A ideia do casamento-surpresa surgiu porque queria muito retribuir toda a alegria que ela trouxe para minha vida. Foi difícil demais esconder tudo. Nós somos muito amigos e era duro ter que dizer que ia trabalhar enquanto, na verdade, estava indo organizar a cerimônia. Mas foi delicioso vê-la sorrindo sem parar naquele dia. Digo sem medo de errar: comecei a viver depois que a Suzana entrou na minha vida!" 

Jean Paul Rhenius, 42 anos, policial da Guarda Municipal, o marido de Suzana 


26/06/2017 - 20:55

Conecte-se

Revista Sou mais Eu