"Casamos com a bênção do papa!"

"Havia trocado alianças quando deram ao padre um envelope com o carimbo do Vaticano..."

Reportagem: Caroline Cabral

Luana e Eduardo | <i>Crédito: Arquivo Pessoal
Luana e Eduardo | Crédito: Arquivo Pessoal
Fiquei com o Edu pela primeira vez em 2010, durante uma viagem a Bonito, cidade turística aqui do Mato Grosso do Sul. Na época, estava na pista, solteirona, curtindo a noite com as amigas. Não esperava nada daquela ficada. Só que passamos dois meses trocando mensagens, saímos de novo e engatamos um namoro. Isso rolou de um jeito tão natural que era como se tivesse que acontecer. Tanto que, quatro anos mais tarde, me vi caminhando até o altar onde o Edu me esperava para selar nossa união, certa de que ele tinha sido feito para mim. Planejamos aquele momento por oito meses, para que tudo fosse especial e do nosso jeito. A sexta-feira do nosso casamento correu exatamente como a gente imaginava... até que fomos surpreendidos por uma bênção que transformou essa união no momento mais divino de nossas vidas!

Tudo acontecia como eu planejei. Fui até o altar...

Tudo dançou conforme a música no nosso casamento. Afinal, foram meses planejando cada detalhe, da igreja aos músicos que animaram a festa. Eu e o Edu f i z e m o s tudo juntos, à exceção do meu vestido, que escolhi sozinha. Era tudo como sempre sonhei: a entrada do Santuário Nossa Senhora do Perpétuo Socorro estava iluminada e rosa. Por dentro, lustres de cristal enfeitavam o teto. Um luxo só! Passei por um arco de flores brancas e desfilei ao som da canção Jesus Alegria dos Homens na versão instrumental, com saxofone, violino e violoncelo ao vivo. Estava em paz. Era o momento mais feliz da minha vida.

No caminho até o altar, olhei nos olhos de quem consegui e abri sorrisos largos e sinceros. Mais bonito do que nunca, o Edu me esperava no altar, com o olhar brilhante e acolhedor que me conquistou. Ficamos de frente para o padre e nossos pais sentaram bem ao lado, em cadeiras próximas. Logo atrás, na primeira fileira, os padrinhos se acomodaram e a cerimônia começou. Tínhamos apenas 180 convidados, todos especiais. Sabíamos que quem estava ali realmente abençoava nossa união. Mas o que a gente não sabia era que havia outra bênção, ainda maior, a caminho.

“Tenho uma surpresa a caminho”, disse o padre

Meu casamento foi tão emocionante que é difícil explicar. Tem um ar de sonho. Alguma coisa embaralhou as coisas na memória. Só sei que já tínhamos trocado as alianças. Era hora da bênção. O padre abriu a boca, mas não disse o que eu esperava. “Tenho uma surpresa a caminho”, falou. Prendi a respiração. Como assim? 

Quando olhei para trás, vi minha priminha de 5 anos, a Angelina, caminhando até o altar. Não entendi o que ela, que nem era daminha, fazia ali. Os convidados se entreolhavam curiosos e o Edu parecia perplexo. Angelina carregava um grande envelope e, quando se aproximou, notei o selo do Vaticano. Ai, meu Deus! Aquilo era uma bênção assinada pelas mãos do próprio papa!

Ter a bênção papal foi como ser tocada por Ele!

Soube na hora porque já havia visto aquilo antes. Minha tia Aida é freira no Vaticano e havia enviado uma carta assim para minha nona. “Vamos ter um pergaminho do papa em casa!”, pensei. A Angelina entregou o envelope ao padre, que o abriu e disse: “Esse casal deve ser muito querido. Nunca vi isso num casamento!” Uau! Vi que era mesmo uma bênção papal, que a autoridade máxima da Igreja havia tocado. Me arrepiei toda. A carta dizia: “Sua Santidade Francisco concede com todo o coração a desejada bênção apostólica a Luana Julini Lazzari Perosa e Eduardo Falcão Nogueira, por ocasião do seu matrimônio, para que o seu amor, consagrado aos pés do altar, seja a cada dia fortalecido pela graça divina”. Foi mágico.

Me senti mais que abençoada. Era um privilégio, como se Ele estivesse ali. Isso reforçou a certeza de que fomos feitos um para o outro. O documento está emoldurado em casa com as imagens religiosas. Oramos ali e pedimos que Ele continue nos abençoando. Gosto de pensar que esse pergaminho é uma prova de que o Espírito nos colocou um no caminho do outro. Sei que nosso amor é muito especial para brigas bobas e ciúme. O que Deus uniu, o homem não separa. - LUANA PEROSA, 24 anos, dentista, Campo Grande, MS


“Me acabei de chorar!”

“Chorar não é muito a minha praia, mas confesso que a emoção do momento foi tão forte que não me segurei. Foi tudo tão mágico, que me lembro do dia como um sonho bom. Angelina carregava um envelope quase do tamanho dela e eu não fazia ideia do que era. Cheguei a desconfi ar que a Lu tinha armado uma surpresa! Quando o padre explicou que era uma bênção do papa, foi imediato: me acabei em lágrimas! Além de sermos católicos, temos um carinho especial por Francisco, um cara que se destaca dos outros com suas visões e discursos humanistas. Saber que ele abençoou nosso casamento nos trouxe ainda mais segurança e reforçou a certeza de que fomos feitos um para o outro!” EDUARDO FALCÃO NOGUEIRA, 30 anos, marido da Luana

Todo casal pode pedir a bênção!

A bênção do papa está disponível para qualquer católico. As graças são emitidas para casamentos, batizados, aniversários etc. Para pedi-las, acesse o site do Vaticano, preencha o formulário e envie pelos Correios. 

Em alguns casos, é necessário o nihil obstat (nada impede, no latim), um carimbo com a assinatura de uma autoridade eclesiástica, para provar que os destinatários são católicos praticantes. A expedição do documento leva cerca de um mês a partir da data do pedido, fora o tempo de entrega. O valor varia de acordo com a celebração: de R$ 49 a R$ 94. O valor de envio vai de R$ 38 a R$ 113*.





27/08/2015 - 09:00

Conecte-se

Revista Sou mais Eu